O sanduiche salvador . . .

Por Marcos Borges:


Em 2010 meu cunhado (marido da minha irmã) fez o IM Brasil. Desde a inscrição dele eu já me ofereci como suporte, apoio, incentivador. (Obs: Fiquei tão entusiasmado com a prova que fiz a inscrição para fazer a prova em 2011) No dia da prova na casa que alugou estavam: ele, com a mãe, minha irmã e ate a minha mãe também foi para Floripa. Esse é um herói: levou a mãe, esposa, cunhado e ate a sogra!!!!

Ele é filho caçula, e alem disso tem uma diferença grande de idade para os irmãos mais velhos. Resumindo a mãe dele (que ate já faleceu) tinha aquele jeito de vó: super preocupada, super atenciosa, mimava o menino demais da conta. Pra ela tudo aquilo era novidade. Por mais que ele explicava as distancias, o tempo que ia demorar pra fazer a prova acho que ela não entendeu direito o que realmente consistia o tal do Ironman.
No dia antes da prova ela quis fazer o macarrão preferido dele. Junto com uma sopa de legumes que era pra deixa-lo bem nutrido pra prova. No dia da prova por mais que ele pediu um monte de vezes que não queria que ela acordasse tão cedo, não teve jeito. As 4 da manha estava acordada pra passar o café.

A casa era bem perto do retorno da Bike e da avenida onde passam correndo. Como tudo era “muito longe” (principalmente para as pernas cansadas da senhora) combinamos que o ideal seria ela ficar descansando e dar umas olhadas durante o dia nos atletas de bicicleta. Na corrida já tínhamos combinado de deixar uma cadeira pra ela acompanhar a prova sentada.
Desde a hora que eles se despediram, ela deu o ultimo conselho: “filho, não vai ficar muito tempo sem comer, hein!!!”
Quando voltei depois da largada da natação ela me perguntava sobre alimentação: “Mas o que exatamente ele comeu quando saiu da água??”. “A organização da prova distribui comida para os atletas”. O tempo foi passando e ela começou a achar aquilo tudo um grande exagero. “Ainda falta muito pra terminar a prova” “Minha nossa senhora... pra que tanto esforço”,  “Aonde que eles servem o almoço para os atletas”
Quando ele passou pra deixar a bike e sair pra corrida, fui correndo ate a casa para deixar todos a postos para ver ele passando na corrida pela primeira vez. Eu estava radiante. Mantive comigo 2 GU em cada bolso, bananas, advil, sal e um par de meias novas. Ficava igual uma barata tonta atrás dele em cada volta gritando na orelha dele e de todos os atletas.

Na primeira passagem dele, eu notei que ela carregava um saco de padaria embrulhado. So que eu fiquei tão animado acompanhando ele por alguns metros que nem percebi. Logo depois ela me chamou e disse: “O meu filho passou aqui, e nem parou... nem ouviu quando ofereci o lanche que fiz pra ele. Da próxima vez voce faz o favor de entregar pra ele sem falta!!!!”(tom meio ríspido). Deixou comigo o embrulho com o pacote de padaria.

Na próxima passagem fui correndo uns 200m do lado dele: “a gente tem duas opções, ou voce come esse sanduiche de filão com mantega e salame... ou pelo menos pega da minha mao e joga fora la pra frente senão vou tomar uma p... bronca da sua mãe”.

Caimos na risada... ele pegou o sanduiche e quando saiu da vista da mãe jogou em algum lixo. 

No final da prova ele ainda brincou com a Mae: Nossa ainda bem que senhora preparou aquele sanduiche pra mim!!! Estava com muita fome, e foi essencial para eu conseguir terminar a prova”.



2 comentários:

Xampa disse...

Manteiga com salame !??1 Boa !!!

Ulisses Franceschi Eliano disse...

Sensacional essa história ahauhahah