Pra mim, isso é educação.

Apenas aproveitando para deixar registrado.....
Gostaria de deixar bem claro que esta é minha opinião,e ninguém precisa concordar com que escrevo.
Ela é baseada em fatos, vivência, convivência, experiência, e muita observação.
Se vc é contra, deixe apenas sua opinião, seja ela contraria ou não.
Não mude o assunto.

OK............
Um dos maiores públicos presentes em provas de triathlon é o IronMan ROTH na Alemanha, competição a qual não é classificatória para o Mundial no Hawaí, mas que atrai muito competidores por ser a prova mais rápida de Ironman atualmente, onde o record é de 7h51min de Luc Van Lierd, o mesmo cara que tem o record no Hawaí (8h04)

Bom.... quero mostrar dois vídeos, que deixam registrado a quantidade de pessoas próximas das bicicletas passando, sem ninguém correr atrás dos atletas.

Paixão por bicicletas eu concordo, mas fanatismo não ( como lembrou a Ana Maria nos comentários do "post infeliz" (como disseram) anterior.

O primeiro vídeo mostra um cara que deve ter saído bem atrás dos líderes, mas que é ovacionado pelos espectadores que são todos educados.

O segundo vídeo, mostra ``o cara´´ Norman Stadler que é Alemão, e sempre um dos favoritos a vencer qualquer IronMan...... e mesmo estando na “sua casa” com toda torcida a seu favor, ninguém correu gritando atrás dele.










12 comentários:

Daniel disse...

Que diferença absurda para o outro vídeo..........

Max disse...

Cirão,

lá vai o meu pitaco:

- Roth é um caso à parte, porque o povo alemão é um povo à parte, e falo isso com conhecimento de causa. "Baderna" não faz parte da cultura, do DNA, e nem do dicionário alemão. O povo fica alegre, e mesmo na alegria consegue ser controlado e organizado. Se algum doido saísse correndo atrás do Stadler, em 5 segundos o cara era preso e enquadrado.

- O fã espanhol o o françês são latinos, e a abordagem do fã latino é diferente, porque a cultura dele aceita manifestações mais "sanguíneas" de afetividade ou vibração. O doido que vai empurrando o ciclista morro acima não vai ser enquadrado nunca, porque a mão dele é a mão de toda a torcida. Eu nunca soube de cicista profissional reclamando de falta de educação do povo que assiste e "participa" dessas provas - porque na cultura deles, não é falta de educação, mesmo que para outras culturas possa parecer.

Vou te dar um outro exemplo: na europa você vê mulheres fazendo topless em parques no verão, e (tragicamente) não são somente somente as mocinhas. Isso faz parte da cultura local, e é aceito como fato, não promiscuidade. Se, por outro lado, o mesmo fosse feito no Brasil, seria visto com outros olhos, e com razão, porque não faz parte da nossa cultura. O que não está certo é o brasileiro ver a cena na Europa e dizer que aquelas mulheres são promíscuas.

Em suma: julgar manifestações de outras culturas com base nas nossas experiências é perigoso, e freqüentemente injusto com a cultura julgada.

era isso....

ab.


Max

Anônimo disse...

Ciro,

Sem querer ser do contra, mas vc esta comparando banana com maçãs, pois triathlon é um esporte bem diferente do ciclismo...

Marques

Emerson disse...

Que engraçado vi vários comentários a respeito do outro post, e de acordo com algums o apoio pode chegar ao absurdo de tocar e incomodar os atletas. Mas pelo que eu me lembro, no Ironman do Hawaii, apesar de serem os melhores do mundo e de ter muita gente assistindo, nunca vi uma cena parecida, e mesmo assim os atletas, ao final, dizem que o apoio das pessoas foi impressionante! Como assim? Foram incentivados e não precisaram ser tocados? Pois é, isto acontece gente! Abraço!

Jarbas disse...

Parabens Ciro pelas otimas materias sobre triathlon e ciclismo e pela coragem em demonstrar sua opiniao, mesmo que, as vezes, nos nao concordemos com ela. Abraco

Bruno D'Angelo disse...

Ciro, a questão é cultural!

Sou muito mais os 'chatos' gritando e empurrando(em todos os sentidos), do que as pessoas que assistem passivamente - o que não é o caso em Roth - como acontece quase sempre aqui no Brasil.

Manequinho Correia disse...

Esse tipo de evento dá muita força à simples mortais como nós... Reanina... Diferencia os bem intencionados dos apáticos e insensíveis... Se existe um caminho certo a se seguir, que sigamos o melhor... o mais bondoso, o mais honesto, o mais legal.. Parabéns...

Sebastian disse...

Fala Ciro,

Nunca acompanhei uma Vuelta da Espanha nem Giro, mas Tour de France assisto todos desde 2002 e essa euforia da torcida nas etapas de montanha é normal. Também me choquei das primeiras vzs que vi, depois comecei a entender melhor. Na França muitas pessoas tiram férias para assistir ao Tour, vão acampando ou ficando no motorhome pelo caminho, nas montanhas ficam 2 dias acampados para pegar um bom lugar e poder ver seu ídolo de perto por alguns segundos.
Essa paixão move o público, a mídia e faz com que o esporte seja rentável e cresça.

Mantendo as devidas proporções, as vezes que recebi incentivo numa prova de triathlon sempre me deram força e alto astral, por isso acho que no Tour deve ser muito bom.

Abraço,
Sebastian

Augusto disse...

Max, você foi ao ponto.

Alemães, brasileiros, espanhóis, franceses e americanos...

Todos diferentes com culturas diferentes, gestos e visões diferentes.

Mas...como você começou o post..."Pra mim...."

Pra mim, é comum e normal. E não atrapalha. E não é mal educado.

E pra mim, o seu blog é muito bom, as suas opiniões são muito legais, e a felicidade de oferecer oportunidade a todos opinarem é fabulosa!

Abraços

Anônimo disse...

Só porque é cultural não quer dizer que seja bom ou correto.
O brasileiro também tem uma péssima cultura de tirar vantagem em tudo, sendo o único povo a furar filas na Disney, sendo mal visto em lojas na Europa, etc...
Chinês tem a péssima cultura de raspar a garganta e cuspir nas ruas..
Brasileiro tem a péssima cultura de urinar nas ruas em festas, carnavais, etc
Brasileiro também tem a péssima cultura de vaiar shows, políticos, eventos quando lhe convém.
E aí? Só porque é cultural temos que achar que é certo, bonito?

Concordo plenamente com o Ciro... pode torcer, pode gritar, incentivar... Correr junto pra aparecer na TV ou botar a mão excedeu o bom senso. Passa a interferir na competição. E pode ver, é babaquice uns pobres coitados frustrados... se fosse realmente certo e aceito, todos fariam e aí viraria o caos, acabava a corrida.
Vamos parar com demagogia e ver os fatos.
Imagina agora se no futebol criássemos uma cultura de entrar em campo pra gritar na orelha dos jogadores, ou quem sabe botar o pezinho na bola.... fala sério.

Max disse...

Caro Anônimo,

nem tudo que é cultural é "de boa educação", mas no caso da manifestação dos fâs em provas de ciclismo em corridas na Europa, acho que já ficou claro pelo depoimento de gente que acompanha o esporte (inclusive lá mesmo e ao vivo) que não é falta de educação dentro da cultura deles.

O que me parece pouco educado, em qualquer cultura, é escrever um texto e não assinar o nome.

Max

Augusto disse...

Será que é possível ter uma opinião diferente e não ser ofendido por isso?

"Concordo plenamente com o Ciro..." Ok e outros não concordam...
"Correr junto pra aparecer na TV" Quem foi que disse que é pra isso? E se for?
"E pode ver, é babaquice (1) uns pobres coitados (2) frustrados (3)
"...se fosse realmente certo e aceito, todos fariam e aí viraria o caos, acabava a corrida." Se não fosse aceito, ao sair dali o torcedor era preso, vaiado e até mesmo linchado.
"Vamos parar com demagogia (4) e ver os fatos."
"...fala sério." falo muito sério!