Faça do jeito que vc quiser.

Como disse meu amigo Rogério S.  :
``eu não vou mais tentar catequizar ninguém... ´´

Faça do jeito que vc quiser.


Ninguém em sã consciência, levanta uma "bandeira" para correr descalço, e sim orienta para correr com os tênis, da maneira como vc correria descalço.

Apenas lembrem que existe um jeito correto.
Do outro jeito,  a lesão é apenas questão de tempo.  


 

 

 

 

 

 

 

 

 *

Calcanhar ou ponta dos pés?

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,calcanhar-ou-ponta-dos-pes-,988033,0.htm

24 de janeiro de 2013 | 2h 06

Por: Fernando Reinach *

Conta a lenda que perguntaram a um ancião com uma longa barba se, ao deitar, ele colocava a barba por baixo ou por cima do lençol. Ele não soube responder, mas dizem que nunca mais o ancião dormiu direito, preocupado com a posição de sua barba.

Fenômeno semelhante vem ocorrendo com praticantes de corridas de longa distância desde 2010. Um estudo relatado nesta coluna em 26 de fevereiro de 2010 (O tênis e o problema da evolução do pé) demonstrou que os grandes corredores de longa distância do Quênia, os kalenjin, que treinam descalços, correm pousando sobre a parte anterior dos pés e assim evitam o forte impacto do calcanhar no solo. Já os corredores ocidentais, que usam calçados especializados, pousam sobre o calcanhar e dependem do amortecedor dos sapatos para minimizar o impacto.

Qual a maneira correta de correr? Seria a supostamente usada por nossos ancestrais, que evita as lesões tão comuns entre corredores? Paranoicos de plantão suspeitaram de uma conspiração internacional cujo objetivo era promover a corrida com o calcanhar para induzir lesões e assim vender tênis cada vez mais caros e sofisticados. Agora um novo estudo analisou a maneira de correr de outra tribo do Quênia, os daasanach, e a história ficou mais complicada.

Nós e nossos ancestrais corremos faz mais de 2 milhões de anos. Pegadas fossilizadas descobertas no Quênia registram os passos descalços de nossos ancestrais há 1,5 milhão de anos. Pegadas mais recentes, de 20 mil anos, mostram homens correndo descalços na Austrália. Os sapatos mais antigos são de 8,3 mil anos atrás, criados pelos habitantes da região central dos EUA. Só por volta de 1970 que sapatos para corredores de longa distância foram desenvolvidos e ficou confortável correr com o calcanhar. Sem dúvida fomos selecionadas para correr descalços, mas utilizando qual dos métodos? Como é impossível descobrir o método dos nossos ancestrais, sobra descobrir como nossos contemporâneos que não usam sapatos correm.

Para responder a essa pergunta, cientistas foram a uma das aldeias dos daasanach, instalaram uma espécie de tapete capaz de medir o impacto dos pés no solo e filmou 19 homens e 19 mulheres correndo descalços. As pessoas foram instruídas a correr na velocidade necessária para longas distâncias (cada um podia escolher a velocidade que julgasse mais confortável). Depois, o teste foi repetido, mas as pessoas deviam correr o mais rápido possível. Analisando o filme, os cientistas calcularam a velocidade de cada corredor e como ele pousava o pé a cada passada. Analisando os dados gerados pelo tapete, puderam avaliar o impacto dos pés sobre o solo.

Os resultados demonstram que cerca de 80% dos daasanach, quando correm em ritmo de longa distância (2 a 3 metros por segundo) pousam - espanto geral - com o calcanhar. Metade desses mesmos corredores, quando correm mais rápido (6 a 7 metros por segundo), passa a usar a ponta dos pés para pousar. Os 20% que correm em baixa velocidade pousando com a ponta dos pés mantêm o mesmo comportamento em altas velocidades.

Esses resultados demonstram que os dois métodos de corrida são usados nessa tribo e que a preferência por um ou outro depende da velocidade em que os daasanach correm. As medidas de impacto sobre o solo confirmam os resultados anteriores: ele é muito maior quando as pessoas pousam com o calcanhar. Também foi observado que, à medida que a velocidade aumenta, o impacto aumenta nas duas formas de correr, o que já era esperado.

Os cientistas acreditam que esses resultados são mais representativos de como corriam nossos ancestrais. De certa forma, esses novos dados podem ser conciliados com os dados de 2010 - afinal, os corredores kalenjin são atletas profissionais ou praticantes assíduos de corridas e é natural que usem a ponta dos pés.

E você, caro leitor, como deve correr, agora que sabe tudo isso? Com tênis e usando os calcanhares em baixas velocidades e descalço ou com um tênis fino quando corre mais rápido? Será que surgirão tênis autoajustáveis, que aumentam ou diminuem a altura e o amortecimento do calcanhar dependendo da velocidade do corredor? Mas o que é alta e baixa velocidade para um trabalhador de escritório que corre algumas vezes por semana?

Tudo indica que, com essas novas descobertas, os corredores terão o mesmo problema de nosso ancião. A mim só resta pedir desculpas por destruir parte do seu prazer de correr.


* Fernando Reinach - fernando@reinach.com - é biólogo.
Mais informações: Variation in Foot Patterns During Running Among Habitually barefoot Population. Plos one 8(1):e52548,  2013

8 comentários:

Ulisses Franceschi Eliano disse...

Para mim, pelo menos, esta é uma questão fechada, isto é, pisar com o calcanhar, jamais. No entento, existe uma imensa diferença entre pisar com a ponta do pé e com o centro do pé e, pelo menos em minhas observações pessoais, variam de acordo com a velocidade e com a duração do treino. Treinos mais longos, me sinto mais confortável utilizando o centro do pé. Apesar que mesmo pisando com o centro, é nítida a sensibilidade que tenho de propulsão e centro de gravidade na frente. Tanto que meus tênis se desgastam na frente. Uma dúvida que sempre me assombra, no entanto, são as decidas. Se for uma decida com uma velocidade alta, dá para utilizar o centro/frente do pé sem problemas. Mas, não dá para fazer isso em todos os treinos porque se não nos explodimos. Precisamos decer com cautela em muitas ocasições...E é aí que me pego, de vez em quando, socando o calcanhar no chão. Claro que isso acontece em decidas mais íngrimes, mas percebo que se quero pisar com a frente do pé, preciso aumentar a velocidade.

Emerson disse...

A questão não é que parte do pé toca primeiro no chão, é onde em relação a posição do quadril. Se tocar no solo na linha do quadril, não importa se tocou com a ponta ou calcanhar do pé.

Tiago Pimentel disse...

muito interessante, acho que cada um corre do seu jeito, no meu caso socando o calcanhar so trouxe lesões e mais lesões, agora 5 meses usando tenis minimalista e fivefingers, concentrando na pisada com a ponta do pé sofri um pouco no começo com a panturrilha atrofiada mas agora ta show 5 meses sem lesão vamos ver até onde vou chegar tomara que tenha achada a solução dos meus problemas, bela reportagem Ciro, infelizmente ainda muitos, senão a maioria não acredita nisso.

Eduardo disse...

Acho que o estudo correto é ver como as crianças correm...como a natureza nos desenvolveu...

Tenis minamalista...é a nova moda... Um novo mercado inexplorado.

Emerson disse...

http://bobbymcgee.com/just-because-forefoot-striking-is-sexy-right-now-does-not-make-it-right/

3 ATHLON NA VEIA disse...

Ciro,
Simplesmente excelente o texto.

Rogerio disse...

Eu nao sou patrocinado pela NB, mas o minimus road e o trail proporcionam a sensacao de correr descalco com a sola do pe protegida.
Eu corro 30km sem parar na ponta dos cascos, mas isso vem do meu instinto e de nunca ter tenis com plataformas altas e ai os minimalistas nem permitem que vc soque o calcanhar no solo, mesmo numa descida em alta velocidade, pois vai machucar.
Eu corro ha 27 anos e nunca sofri com lesao alguma e sempre corri na ponta dos pes, na fazenda sempre foi normal andar descalco e iniciar seja o jogo de bola ou a corrida sem a protecao de um solado e oque na epoca para mim era motivo de ira hoje foi a, maior benção, pois me proporcionou uma postura mais natural de correr, assim julgo eu, alem do tenis,nvariar o terreno, correr na terra, grama, areia, locias esburacados, promovem um fortalecimento natural da musculatura envolvida. Nunca fui a uma academia tambem, alongamentos nem pensar, nem aquecimento, simplesmente saio correndo e pretendo fazer isso por mais 27anos ou mais.
Essa e a minha formula e a minha opiniao.

Domingos Pandelo disse...

Este é um tema que me interessa. Estou fazendo uma série de 4 posts no meu blog sobre o tema. O primeiro já saiu e só fala um pouco do tema, mas tem um vídeo bem legal. No segundo vou focar a parte médica da coisa, ou seja, os tipos de lesões que vc pode ter correndo de um modo e do outro. O terceiro vou focar os aspectos da dinâmica do movimento, usando os conceitos de física. No último da série, as adptações necessárias caso queira mudar a "pisada". Toda semana (segunda) punlicarei um.

Quem desejar acompanhar só ir em www.pandelotri.com

Abraçao a todos!