Opinião

Texto da revista digital do site http://www.mundotri.com.br/
Pgs 46,47,48,49



"amador x elite x profissional"


Não vou começar esse texto da mesma maneira que comecei alguns outros
sobre esse mesmo tema, dizendo o que cada uma das palavras acima quer
dizer no dicionário. Imagino que todos que se interessam por esse
assunto já estão cansados de saber.

Também não sei quais exemplos usar, pois conheço inúmeros que estão
nessas situações.

Vou começar deixando bem claro que cada uma das palavras acima, se
encaixa perfeitamente nesse nosso esporte – o Triathlon. Apesar dele ser
um esporte relativamente novo, o crescimento esta sendo grande, e vem
ganhando mais adeptos.

Na maioria dos eventos de Triathlon, os atletas são divididos
basicamente em 2 categorias: A primeira sendo dos amadores, que são
divididos entre homens e mulheres e por idades de cinco em cinco anos,
e a segunda sendo dos atletas profissionais.

E agora? Seriam os atletas profissionais ou os atletas de elite?

Se o atleta amador é aquele que faz por hobby, e o atleta profissional é
o que faz por profissão, por que a categoria se chama elite?

Se o Triathlon no Brasil seguisse uma sequência lógica e igual ao de
outros países, o natural seria que o atleta amador que faz o esporte
por prazer, quando fica muito bom e se destaca dos demais, viraria
atleta da categoria elite, que não vive do esporte mas que também não faz o
esporte por hobby como um amador, ele já treina quase como um profissional.

Se ele decidisse seguir carreira como atleta, tendo incentivo de órgãos
públicos, e ou privados e começasse a viver do esporte, aí sim ele
viraria um atleta da categoria profissional.

Existe uma grande diferença nas palavras Elite x Profissional.

O atleta de elite não vive do esporte, mas também não o faz por hobby. O
atleta profissional vive do esporte, o esporte é seu trabalho, e é dele
que ele tira seu sustento.

Vou dar três exemplos:

Meu amigo Paulo Pedrazzini da cidade de Pirassununga é um triatleta
amador, pois faz o triathlon por hobby, treinando moderadamente
sempre se adaptando sua vida social, trabalho e família ao esporte.

O Rafael Brandão é um atleta de elite, pois o esporte esta integrado em
sua vida como dormir, escovar os dentes e se alimentar. O Brandão se
destaca completamente da categoria amador, mas não vive do Triathlon,
pois trabalha diariamente das 8h as 18h, e treina pra valer todos os
dias nos horários disponíveis, deixando de lado a vida social de
churrascos, festas e baladas, além de pagar sua própria inscrição dos eventos.
Ele pratica o esporte pra valer, mas não vive dele.

O Reinaldo Colucci é um atleta profissional. Ele vive do Triathlon, e é
dele que tira seu sustendo mensal. O Reinaldo treina para valer
diariamente e escolheu o esporte como profissão. Seu salário vem de
patrocínios, e o complemento dele com o dinheiro ganho nas competições,
quando ele conquista um pódium merecido por tanta dedicação.

O que esta certo e o que esta errado? Seria preciso dividir ainda mais
as categorias no Triathlon?

Lembrem se que o Troféu Brasil já fez isso criando a categoria Elite
Amador, que seria a transição do atleta amador, que já anda bem em sua
categoria, para a categoria elite. Eles largariam junto com os prós, e
além de fazer a distância olímpica, entrariam nas mesmas regras, apenas
não disputariam a premiação em dinheiro. Infelizmente não deu muito
certo, mas a ideia foi muito boa.

Não acho necessário a inclusão de mais uma categoria nas provas. Acho
que é importante o triatleta de elite estar seguro dentro de si mesmo,
para decidir sobre essa transição. Apesar de no Brasil haver uma
tradição, de que todo atleta amador que se destaca, ele passa para a
categoria dos profissionais, digo que é necessário muita concentração,
lucidez e opinião, para fazer essa mudança. Acho também que mudar por
pressão de outros atletas, mídia, e família esta totalmente errado, mas
é o que esta acontecendo.

Na internet, temos visto muitos assuntos sobre esse tema. Ela é uma ótima
ferramenta para noticiar e disseminar nosso esporte, mas ela possibilita
também que pessoas sem a mínima noção, escrevam e coloquem suas opiniões
baseadas no “zero absoluto” de conhecimento. É necessário tomar muito cuidado
com o que ler, e onde ler, para não tomar o trem na direção errada.

ass: ciro violin



Também tem a opinião da Ana Lídia Borba

http://www.mundotri.com.br/mundotri-magazine


Outra opinião sobre o assunto esta no excelente texto em:

http://www.mundotri.com.br/2010/11/profissional-x-elite-x-amador-no-triathlon/

Do Cleiton Abílio

11 comentários:

cleitonabilio disse...

Bem pensado, bem dito, bem escrito e principalmente, bem vivido! And... let´s keep going!

Davison Venâncio Sant'anna disse...

Na minha opinião, acho que vc nao devia mudar..pois ja tem a vaga do ironman no hawai....
Mas não mudando...vc poderia fazer provas dentro do pais na elite? Como a entidade Ironman analisa isso....estaja ciente das regras para não perder a vaga...abraço

Davison

skt sempre! disse...

fala ciro!
sou mais um fã do seu trabalho no triathlon!
cara, vc sabe que tem nivel para ir mais longe!
pede um tempo no seu trampo, uns 2 anos... arruma uns patrocínios como profissional e encara as provas de frente!!
vai morar e treinar um tempo no exterior!!
começa a competir na categoria profissional que vai ser uma grande realização para vc!
se daqui a dois anos não der certo, vc já é formado, volta para a fábrica de refrigerantes ou alguma outra... e continua a sua vida...
agora se daqui a 5 anos vc voltar no tempo e se arrepender de não ter virado profissional por esse "sentimento de insegurança" que vc está sentindo hj, vai ser muito pior!!
ciro violin nas cabeças!!
abraço e sucesso!!
jlemos

Arthur Ferraz disse...

Campanha Ciro fica no amador!
Quem compete em mundiais sabe que lá fora a história é outra. Ouvimos muita reclamação mas na hora que chegamos lá os gringos tem um nível muito alto. E se nos acomodarmos vamos acabar com a mesma diferença que os pros encontram quando competem com os pros de fora.
Esse ano acho que pela primeira vez tivemos amadores campeões mundiais amadores de aquathlon, sprint triathlon e ironman no mesmo ano. E se bobear ainda teremos um no 70.3.
Então vamos começar a valorizar e a respeitar os bons amadores do país e não tratá-los como se estivessem prejudicando os outros amadores.
Abracao

Fernando disse...

Ciro, mais uma vez parabéns pelo blog.
Desta vez, se me permite, gostaria de discordar um pouco quanto à questão.
Só vejo diferença quanto à remuneração, no caso do profissional ele recebe, e o amador ele usa a dele pra praticar o esporte, simples assim. A diferenção entre seu amigo de Pirassununga e o Rafael Brandão pode não existir mais, quando um resolver treinar e se dedicar igual ao outro, o dia tem 24 hs pra todo mundo e cada qual decide o que faz com ela, se algum dia algum cara resolver que quer pegar a vaga pra ir pra Kona ele já sabe o que tem que fazer, mas se ele resolver "somente" completar um Ironman ele também já sabe o que fazer.
Abraço e parabéns mais uma vez.

Fernando Quirino disse...

Cirão

Vou dar minha opinião aqui no seu blog e quero deixar claro pra você que, seja lá o que eu escrever aqui, é sincero, de coração e não tem NENHUMA intenção de pressionar, você é dono da sua vida e faz o que quiser, mas como a razão se ser de um blog como o seu é discutir assuntos a fim de melhorar algo, aí vai a minha parte nisso tudo:
Achei legal a opinião de todos, mas uma que me chamou a atenção e me fez "viajar"um pouco nessa questão foi a do JLemos (SKT SEMPRE!).
O cara bota fé em você e devo dizer, eu também!
Cara, você bateu profissionais lá em Kona!! Chegou a 2 minutos do Norman Stadler!! (se não me engano). Tudo isso trabalhando 8 horas por dia, imagina se se dedicar somente a isso!
Você está com 30 anos, não vou te dizer pra tentar ir pras olimpíadas, acho tarde, mas pra Ironman de alto nível é a idade!! E você mostrou que tem talento nessa distância.
Sei também que é muita intromissão falar pra você largar o trampo e ir pra fora, mas a idéia é ousada e você sabe que não se consegue um feito notável sem uma dose se ousadia...
Talvez um meio termo entre tudo isso seja buscar o profissionalismo aqui mesmo (Cali, MPR, ou sei lá quem...) Ou como muitos fazem lá fora, ser um "Training Buddy" de um pró como o Collucci por exemplo.
Enfim, são viagens, mas saiba que essa galera aí bota muita fé em você, principalmente depois do que você fez em Kona esse ano!
É por isso que esse assunto é tão fértil, você e seus feitos criaram as possibilidades, a gente só viaja no assunto! Rsrsrsrs!
Agora, se você se sente melhor como amador, se você acha que é assim que quer o rumo da sua história, que seja, mas seja feliz!

Grande abraço!

Ciro disse...

Fernando, agradeço muito por seu comentário. valeu mesmo!!

Se para é para eu ficar feliz..... NO MOMENTO eu quero continuar no amador.

O Hawaí sempre foi meu sonho, e é neste sonho que ainda quero continuar.

Se eu tenho a vaga garantida, é pra lá que eu vou de novo.

A ideia de:
O vencedor de cada categoria do Age Group, ganhar a vaga para o próximo ano......

é de ele continuar como amador, e não se tornar profissional.

Fiz uma pequena pesquisa, e no ano passado todos os triatletas das principais categorias que ganharam no Hawaí, continuaram no amador.

Acho que esta tradição de continuar no amador - No Hawaí -

é muito mais importante do que esta outra tradição aqui no Brasil de que:
Se andar bem no amador vc DEVE ir para o profissional.

Mesmo por que eu NÃO me acho bom o suficiente para competir contra Colucci, Juraci, Miashiro, Carvalho, siqueira, Cavanha, Mansur, Guto, Morales, Galindez, Sclebin, Chicão, Vinhal, Adriano S, Higor e companhia

Não me acho bom o suficiente......AINDA

Se eu preciso andar com os melhores para me tornar melhor... antes eu preciso amadurecer mais um pouco e primeiro QUERER andar com eles.
Vou deixar o profissional para 2012

Sei que isso vai deixar muita gente puta, mas é minha decisão.

Vou continuar no amador para ir para o Hawaí mais uma vez.
Chegarei la como o atual campeão de minha categoria.
Acho que é um bom argumento não é?

Antes de apontarem o dedo para mim, pensem no que vcs fariam se estivessem nessa mesma situação.

Obrigado a todos

Fernando Quirino disse...

Tá certo! É assim que se faz!! Parabéns!
A gente continua torcendo daqui!

Abraço!

AnaMaria disse...

Oi Ciro, voltei.
Quanto tempo!
Achei muito legal esse seu comentário.
Pensou para escrever e é por isso que me identifico com você.
Como o Arthur disse, não podemos aqui no Brasil achar que os bons amadores prejudicam outros amadores.
De maneira nenhuma.
A ideia é completamente diferente.
Ter amadores campeões mundiais em Aquathlons, Shorts, já era uma realidade de ano após ano conquistada pelos atletas do grande apoiador do esporte o Clube Pinheiros, que para mim não é um clube, e sim quase um pequeno país.
Agora temos você como campeão mundial de uma forte categoria no Pai dos triathlons, o Hawaí.
Os atletas amadores brasileiros deveriam se orgulhar de estar largando ao seu lado.
Deveriam se orgulhar de estar largando ao lado do dentista Beretta (Campeão mundial de short na 35/39 do clube Pinheiros).
E não ficarem xingando e dizendo que eles deveriam mudar de categoria.
Esses atletas deveriam te vocês como meta.
Treinar e ganhar de vocês.
Que legal seria ganhar do Ciro numa prova
O Arthur mesmo, é um excelente atleta, e pode vencer o Ciro em Pirassununga daqui 15 dias.
Se isso acontecesse, que pode sim acontecer, a vitória do Arthur será muito mais valorizada, pois o Ciro eleva o nível dos amadores.
Pensem nisso.Parabéns pela decisão Ciro
Um beijo da AnaMaria

Aninha disse...

Cirooooooooooo!!!
Apesar de vc já saber minha opinião, resolvi registra-la... ;^)
Como vc mesmo disse, se todos os atletas amadores que andassem bem "tivessem" que largar no profissional, a vaga garantida p/ os campeões dos Age Groups p/ o ano seguinte em Kona não faz sentido, certo? Pela tal "tradição", os top amadores deveriam largar no profissional... E NÃO é assim q funciona! ;^)

Sei que vc se preocupa com a reação das pessoas do meio, mas, como já lhe disse: ouça o seu coração!! Faça o q irá lhe fazer bem... Quem gosta e admira o Ciro como triatleta e como pessoa, vai entender!! Seja FELIZ!!!

Veja se o 1o no geral vai abrir mão da vaga p/ correr no profissional... Acho difícil!! Acredito SIM em você e na sua capacidade de andar entre os top 20no Hawai! Juro... Mas, estou contigo!! Aproveite o ano q vem... Vc tem chances enormes de ser o 1o tanto no Age Group como no Geral!!!

Corra atrás dos seus sonhos... Não deixe a vida lhe levar! Vc deve escolher os seus caminhos... Tudo o que ocorre ao seu redor é culpa ou mérito SEU!! Pense, escolha e assuma a responsabilidade!! ;^)

Obviamente, entendo a insatisfação da tchurma do seu Age-Group... rsrsrsrs...Ainda mais agora! Porém, você tem a "excuse" de querer voltar p/ o Hawaii e pegar o amador que chegou na sua frente!! ;^) rsrsrsrs... Além disso, você pode treinar como profissional, porém não descansa como eles, afinal, trabalha como uma pessoa normal! Vc não vive($$) do esporte, certo?

Após vc ser o campeão, ou bi-campeão, ou tri-campeão ou sentir que "o mostro"(=Hawaii, nas suas palavras) foi dominado ou ficou um pouco mais mansinho(rsrsrs...)conversamos novamente sobre essa questão, ok?

O triathlon NÃO É APENAS UM ESPORTE, É UM ESTILO DE VIDA!!!
A decisão de TORNAR-SE ou NÂO profissional é SUA e NINGUÉM tem NADA com isso!!!

Ciro, tenho CERTEZA: quem REALMENTE GOSTA e TORCE por vc, NÃO se importa se irá largar como amador ou profissional!!! Apenas quereMOS (;^)) ver vc competindo, fazendo suas provas, dando um show nadando, pedalando e correndo, testando seus limites... Pq é isso que faz VC FELIZ!!! É isso que deixará sua torcida (de verdade!) feliz!!! É ver vc fazendo o que gosta, por puro prazer!! ;^)

Bjocas,

Aninha.

Luigi disse...

Cirão, voce é o cara, em qualquer categoria