TALENTO: INATO OU APRENDIDO ?

Por Professor Doutor Emílio Takase

Como definir talento?
É inato?
É aprendido?
É inato e aprendido?
O livro "Desafiando o Talento: Mitos e verdades sobre o sucesso" de autoria de Geoff Colvin e lançado pela editora Globo, o autor realizou uma extensa pesquisa para mostrar que o talento não existe, mas sim, que o sucesso adquirido pelas pessoas vem de um esforço de muitos anos.
Segundo o autor, independentemente de terem ou não nascido com algum "talento", todas as pessoas de sucesso realizaram horas e mais horas de treino, trabalho, estudo, entre outras atividades árduas. Dentre os exemplos que o autor cita estão: Tiger Woods, Warren Edward Buffet, Wolfgang Amadeus Mozart entre outras personalidades.

O que nos chama a atenção para estas pessoas são os anos necessários para alcançar o nível de profissionalismo, independentemente do sucesso ou não. No esporte e na música, por exemplo, observamos que as crianças iniciam entre quatro e seis anos de idade, alcançando o desempenho de um profissional aos 16-17 anos. São dez anos de muita dedicação que as levam a serem "experts" na área em que foram treinadas. Você também leva dez anos para entrar na universidade e mais dez anos para obter um título de doutorado.

Observamos então que o "talento" está muito relacionado à área de conhecimento; esporte, arte, exatas, negócios, humanas, biológicas e filosóficas. E essas áreas estão muito próximas às Inteligências Múltiplas de Howard Gardner, que segmentou tais inteligências da seguinte forma: físico - cinestésica, intrapessoal, interpessoal, naturalística, lógico-matemática, musical, espacial, existencial e linguística

Várias pesquisas científicas dessas áreas foram realizadas nas últimas décadas para explicar a inteligência. Por outro lado, os avanços neurocientíficos têm possibilitado cada vez mais aproximar as explicações do sucesso às pesquisas neurofisiológicas. Assim, vejo a importância de colocarmos a questão do talento do ponto de vista das habilidades cognitivas, emocionais e sociais. Por que? Porque tem uma correspondência cerebral, onde no próximo artigo estarei pontuando.

Assim na próxima década, provavelmente vamos observar mudanças significativas no modo de educar as crianças e jovens para um mercado de trabalho cada vez mais baseado nas tecnologias inteligentes e genéticas. Por outro lado, as crianças de hoje estão recebendo muitos estímulos de diversas naturezas e formas, possibilitando aumentar as suas capacidades cognitivas, emocionais e sociais mais rapidamente do que as crianças de vinte anos atrás.

Veremos "gênios" mais frequentemente?

Então, se o nosso ensino foi construído baseado em dez anos, talvez tenhamos como construir modelos neuropedogógicos em menos de dez anos para alcançar o sucesso.

A evidência mostra que, ao entender como alguns poucos se tornaram notáveis, qualquer um pode se tornar melhor. Acima de tudo, o que a evidência grita mais alto são notícias espantosas, libertadoras.
O desempenho notável não é reservado a uns poucos predestinados.
Está disponível para você e para todos."
-------------------------------------------------------------

Levando o texto acima para o Triathlon:
Eu gosto muito de 2 frases, e sempre me espelho nelas:

``A disciplina vence a genética´´

Cali

``No triathlon, é claro que é preciso ter genética...
Genética para se ter a disciplina´´

Lauter Nogueira




Apenas uma observação:

Alguns caça talentos do esporte, ficam muito presos à idade dos ``novos´´ atletas.
A idade nos esportes como a natação, o ciclismo, a corrida, o futebol . . . realmente são importantes, pois como disse o autor do texto acima: É preciso se treinar e treinar desde cedo para ficar cada vez melhor.

O único problema que sempre vejo por ai. . . . . é que a garotada muito nova acaba sendo ``forçada´´ a fazer o esporte.
Forçada sim.
Forçada pelos pais principalmente, ou pelos professores ou técnicos do respectivo esporte.
Em muitos casos essa garotada não quer se dedicar ao máximo aquela atividade, e acabamos vendo jovens com futuros promissores no esporte, desistirem de se dedicar para serem ``normais´´ e cair na noitada, baladas, comer comidas que antes não podiam comer, namorar, e etc.

Conheço várias pessoas que eram para ser super atletas e hj são gordos, e sedentários.
Hj levam uma vida normal e eram para ser até atletas olímpicos.

Minha observação é a seguinte:
Vou dar meu exemplo:
Eu tenho 28 anos, uma idade considerada avançada para os Caça Talentos certo??
OK....
Mas a grande diferença entre o Ciro que tem 28 anos, para um jovem de 15 anos que esta começando no esporte agora........
é que eu tenho maturidade suficiente para decidir que eu QUERO treinar.
Ninguém precisa falar para eu acordar cedo, ou comer certo, ou me abdicar de certas coisas...
pois eu QUERO fazer isso.
E nessas horas em um esporte como o Triathlon,
eu com 28 anos, meto ferro na galera de 15 a 20 anos.
Não por que sou melhor que eles..... mas sim por que eu quero muito acordar cada vez mais cedo, comer cada vez melhor e treinar cada vez mais.
É claro que se a galera de 15 a 20 anos treinar como eu treino, vai ganhar de mim. Mas é difícil encontrar algum jovem que QUEIRA fazer isso.

Por tanto senhores Técnicos...... Seria legal manter os dois tipos de atletas.
Os jovens que são a nova geração....
E os mais VELHOS QUE SÃO DEDICADOS, que poderão surpreender.

ciro violin



3 comentários:

Marcos Apene do Amaral-AçaíTri disse...

Pode assinar em baixo?!

Abraço!

Douglas disse...

Ae Ciro, blz?
Também tenho 28 anos mas agora que estou começando a treinar os tres esportes do triathlon, kra quando falo q levantei as 4h da manha e fui andar de bike o povo me chama de louco rsrsrs...
como você falou é algo que queremos fazer... e isso faz muita diferença...
flw... abraço

Ciro disse...

É isso ai Douglas... Faz muita diferença fazer por que QUER.

Abraco e obrigado pelo comentario