Arthur Run&Fun e a "bolinha" da USP


Veja mais fotos e vídeos de esportes >>



Por Rodrigo Cury - do site PROLOGO

Foi neste ultimo sábado ,dia 26, que o triatleta e técnico de triathlon da Run & Fun Assessoria Esportiva, Arthur Alvim, saiu de casa num dia de folga, pegou a sua bike e saiu pra pedalar no tradicional ponto de encontro dos triatletas paulistanos, a USP.

Arthur não tinha em sua mente a intenção de quebrar recordes, ou de sair nas mídias ou desafiar alguém, apenas foi lá e pedalou 250km na famosa bolinha da USP simplesmente por pura satisfação e pelo prazer de pedalar.

O triatleta conta que durante o percurso apareceram alguns amigos que pedalaram um pouco junto, mas que o incentivaram bastante, principalmente o também técnico Eduardo Bley, que foi quem o fortaleceu ainda mais com a idéia dos 250km. Mas foi sua namorada Bia Bergmann quem deu o suporte necessário para que isto não se tornasse uma loucura, tal como trocando as caramanholas, distribuindo bananas, bisnaguinhas, barrinhas de proteínas, gel e etc.

“Agradeço muito a minha namorada Bia pelo suporte, pelo incentivo e por ter feito com que isto se tornasse algo viável e prazeroso, em nenhum momento senti que foi um sofrimento”.

Alvim contou também que a data era o aniversário de sua mãe e como ela não estava presente resolveu presenteá-la com o feito, o de pedalar 250 quilômetros, ou 500 voltas na bolinha da USP sem por os pés no chão. Alvim conta que começou por volta das 5 horas da manhã e terminou por volta das 12h15, com o tempo de 7h15min sendo 34.6 km/h de média.

Em seu currículo possui 10 provas de long distances e acabou de concluir seu 3º Ironman no último mês de maio; diz estar totalmente recuperado e já espera pelo próximo desafio.
Que venha!








Eles dependem COMPLETAMENTE de um time .

Uma ideia para os longos de corrida....

Tenho minha opinião sobre os treinos longos de corrida...
Esses são os treinos que me deixam com frio na barriga, e que me fazem sofrer por antecipação 3 dias antes de realiza-los.

ok....

Vamos supor que eu vá sair para correr 35km:
Para esses treinos, é preciso acordar muito cedo... tipo 4h da manhã de um sábado qualquer, pois é preciso ir ao banheiro, arrumar a alimentação, e hidratação, é preciso arrumar um staff, ou correr com aquela mochilinha chata tipo camel back... Se estiver calor melhor, se estiver frio complica mais, já que vou sair com 3 blusas e depois que esquentar vou começar a tirar.

O treino vai demorar de 2h30 a 3h dependendo do local.

Vou chegar atrasado para o trabalho, e pior vou chegar quebrado.

Treinando pra valer para um IronMan.... ou seja, para tentar a vaga na minha categoria, é preciso fazer alguns desses, e não são poucos não... penso em pelo menos 10 desses.

Bom... meu pensamento para este último Iron Brasil, foi a mesmo, mas minha vontade de realizar os treinos longos não foi das melhores não.
Por isso tive uma outra ideia:

Para continuar com os mesmos volumes, e não ter que fazer toda semana um longo complicado desse, optei por dividi-lo em 2 ou em 3 séries no mesmo dia.

Ou seja:
Se na semana eu precisava correr um de 35km, no dia estipulado, eu fazia 2 x 17km, ou 3 x 12

São treinos muito mais controlados, que não precisam nem de água e apenas um gel antes de sair para cada um deles.
Vc chega mais inteiro, e a disposição ao longo, ou no final do dia é muito melhor.

Não estou dizendo que dividir os treinos durante as 24horas de um dia é mais eficiente, ou que substitui um longo... mas é uma maneira de quem não tem tempo, que não tem condição, que não tem apoio, ou que simplesmente não tem saco para fazer.... pode sim manter um bom volume semanal.

Eu cheguei a fazer 52km em 24h, e não fiquei quebrado como ficaria, depois de correr por 52km direto - obvio - eu sei disso - Nesse dia fiz um de 25km de manhã + um de 12 no almoço e mais um de 15 a noite, já eram quase 20h30 pm.


Meu melhor treino desse tipo foi um de 3 x 16km... que dá 48km no total.
Um de manhã para 1h04
Um no almoço para 1h07
E o último na noite para 1h09

É só uma ideia...

Ninguém precisa fazer 3 x 16 logo de cara, mas pode optar por trocar um longo de 25km por 2 x 13.

Eu estou muito convencido de que só consegui correr a primeira meia-maratona no Iron Brasil, forte como corri, e depois me manter firme até o final dos 42 - mesmo estando cansado como eu estava - depois de todos aqueles problemas...... por que treinei bastante volume de corrida.

Não consegui fazer muito longos... mas consegui encaixar muito volume dividindo os treinos durante 24h.
Não me matei, nem me machuquei em intermináveis 3h20 correndo.
Optei por dividi-los para facilitar... e deu certo.

Volto a dizer que dividir em partes o volume durante 24h não substitui um longão.... mas acredito que chega nos 85% de eficiência SIM.

É só uma outra maneira de treinar.


.












Preparado para um longão de 35km em 2009

O que vc julga mais importante???

Outro dia, logo após um treino de corrida à noite... Eu, e meus parceiros de treino, ficamos conversando sobre bicicletas.

Bom.... a conversa começou, por que várias pessoas por aqui, ficam meio que irritadas pela maneira como levo minha bike dentro da caçamba da camionete.

Eu fiquei surpreso em descobrir que sou motivo de piada aqui em Leme, por carregar de "qualquer jeito" meu equipamento no carro.

No meio do papo eu deixei bem claro que eu trato a bicicleta como equipamento, ou ferramenta de trabalho e não como um pandeló, ou como um ursinho de pelúcia.

Eu trato a bike como FERRAMENTA DE TRABALHO!

No desenrolar da conversa pegamos em 3 pontos principais sobre a bike/atleta:

1) Como cuidar da bicicleta ( lavar, riscos, amassados, sujeira) ??
2)Para que serve a bicicleta ??
3)A bike funciona corretamente???


Chegamos a conclusão de que - Quem realiza os três quesitos acima, realmente esta de parabéns, e é um exemplo a ser seguido.

Eu por ex..... realizo apenas 2, dos 3 acima:

--Primeiro que eu uso a bike para o fim que ela foi desenvolvido, ou seja, usar para treinar e treinar bastante.

--Segundo que minha bike funciona corretamente ou seja: É um quadro que vale 1,5 mil, tem Shimano 105 de 7 anos de idade, mas ela cambia corretamente sem me deixar na mão. A corrente esta sempre em ordem, as sapatas de freio estão boas, troco regularmente os cabos e lubrifico sempre as partes principais.

--O terceiro eu não ligo. Minha bike é toda riscada, suja, e acabo encostando e carregando a bike de maneira incorreta muitas vezes.

Ficamos discutindo isso por mais de uma hora, e o ponto em que quero chegar é o seguinte:

Vou dar alguns exemplos:

Conheço uma pessoa que tem uma bike de 30 mil reais, cuida da "equipamento" como um filho.
Não molha a bike em nenhum momento, não passa em poças d água, não encosta a bike na parede, e muito menos leva sua bike na caçamba amarrada junto com outras. As marchas cambiam muito bem, e o equipamento esta sempre lubrificado..... mas.... ele não pedala NADA.
Para o fim principal, ele não usa a bike.

Conheço outro que treina muito.... não liga nenhum pouco para sujeira e riscos na bike.... mas..... as marchas não funcionam nunca, e a corrente parece gritar literalmente por um pouco óleo.

Quero dizer que é muito raro algum ciclista/triatleta que realize os três pontos.

Tem gente que mantem a bike sempre limpa, funcionando, mas não treina.
Tem gente que treina, mantem a bike funcionando, mas deixa suja e riscada.
Tem gente que treina, limpa a bike, não deixa riscar, mas as marchas não funcionam.

O que esta certo???
O que esta errado???

Depende do ponto de vista de cada um.

Apontar o dedo para alguém para dizer que a pessoa esta fazendo algo de errado é bem fácil...

Como eu preciso respeitar quem faz o que não faço.... quero que me respeitem também por fazer algo diferente do que os outros fazem.
Tirar um sarrinho é normal e aceitável, mas não briguemos por pouca coisa.

Independente se vc é ciclista ou triatleta.... mas falando em bikes speed (Road ou TT).... o que vc julga mais importante???

Tombo do Cavendish

Fica a pergunta:

A roda entortou com a força do sprint ?!?!?!?!?!?!?!?

Incrível o tombo!!!!



O país do futebol . . .

. . . em alguns lugares, é também o país do desrespeito.

Detalhe:


O exemplo ruim, ainda vem da cidade modelo, que deveria ser o maior exemplo de todas.



Se assisti o jogo do Brasil ???

Não, não . . . treinei nese horário ! ! !


video

Amizades no IronMan Floripa 2010


Queria aqui através do blog, dar uma outra conotação e uma outra visão para a competição.

Nada de falar de tempos, records, condições climáticas, melhores parciais, vagas pro Hawaí, e muito menos sobre a competitividade entre atletas.

Quero falar um pouco de amizade.
Quero falar um pouco de solidariedade.
Quero falar um pouco sobre compaixão.
Quero falar um pouco sobre observação e compreensão.

O que aconteceu comigo no Iron Floripa 2010 nem interessa muito. Na verdade a causa do problema não interessa......
O que interessa é o efeito e a consequência depois.

Esse evento.... como o ano passado foi um grande aprendizado.
Mais do que "vomitar" um grande resultado, e um bom tempo na prova... essa competição serviu como lição e muito aprendizado.

Meu crescimento interno foi grande, e apesar de não ter ficado satisfeito, fiquei muito feliz por ter terminado o IM nas condições que terminei.

Mas eu não quero falar disso.
Quero falar de um outro lado...... quero falar sobre o que aconteceu de bom, e não o que aconteceu de ruim.

Depois do segundo furo no pneu dianteiro, minha cabeça foi a mil. Fiquei completamente transtornado, e simplesmente não sabia o que pensar, e muito menos como agir.
Muita coisa mudou dali pra frente.....
Inclusive meu respeito e admiração por outros competidores e espectadores.

A quantidade de pessoas, sendo eles atletas, ou espectadores que me incentivaram durante o período que eu estava mal ......... foi incrível!!!

Nem sei como agradecer essa galera.

A começar pelo Murilão... meu companheiro de treino que simplesmente parou de pedalar para me ajudar. Sim, o cara parou, desceu da bike, me deu uma de suas câmaras, e ainda me ajudou a fazer a troca. Incrível!!
Cara... nem sei como te agradecer... valeu demais!!!

Logo depois o Samuel Oliveira me deu um CO2 para re encher o pneu que ainda estava vazando pela válvula....
Depois o Brunão Dangelo...ainda me deu mais um CO2 mais uma câmara de ar para ficar de reserva.
O Fabinho Barbaglli, o Otávio de Araras me viram naquela situação ... e me incentivaram a todo momento que ficamos juntos na bike.
O Sebastian Castellano, na saída da corrida e nos retornos da maratona, só faltava correr para mim, pois tamanha era a vontade de me ajudar e me incentivar.
O Pedro, e o Alê meus amigos de Pinhal, contaram quantos atletas da 30\34 tinham na minha frente nos primeiros 21km.
O Edney Batista viu o que estava acontecendo e pensou como eu estava pensando... me deu uma força incrível para me manter focado.
O Fabrício Pessoa também... pensou como eu estava pensando na hora... e me deu a força moral e falou o que eu queria escutar naquele momento.
A Chan, e o Marcelão...sempre me dando a maior força na corrida.
o Alê Gantus me deu uma baita animada no km 150 da bike que eu achei incrível.
O Fernando Cesario a mesma coisa. O Willian Barbosa, me incentivou a todo momento que cruzamos na corrida.
O Marquinhos Faria, o Cris Solak, o Casu, o Cristiano Santos, o Arthur Alvin, o Felipe filho do Gastão...
Minha namorada Claudinha que ficou a maratona toda próxima de mim com a bike....que tive falar para ela sair de perto, para que o fiscal não me desclassificasse por pace.... pois tamanha era a vontade de me ajudar.
Fora esses que citei....... muita mais gente que eu nem conheço pessoalmente me ajudou e queria me ajudar

A galera viu, e entendeu o que estava acontecendo... e me deu força até o final.

Graças a vcs eu me senti na obrigação de correr e correr dando meu melhor atrás daquela vaga.

O objetivo principal era de conseguir classificar ...lutando até o final.... e foi o que fiz.

Fazer um IronMan nunca é fácil.... mesmo que ele for só na descida... nunca é fácil completa lo.
Mas esse foi um pouco mais difícil..... e com certeza estou dando muito mais valor para esta classificação.
Fora isso..... passei a respeitar, e dar mais valor para as amizades que fazemos no triathlon.

Essas amizades valem cada esforço, cada noite mal dormida, cada câimbra na musculatura, e cada tomada de chuva, sol nas costas, e fumaçada de caminhão na cara que tomo todos os dias.

Pessoal.... um muito obrigado a todos que me ajudaram neste desafio que foi completar o IM Floripa 2010

Hawaí........ aí vou eu mais uma vez.

Segunda feira.....

video